WWW.OIACO.NET
Notícias do interior
Notícias policiais
Entretenimento
Notícias de sena madureira

Um dia depois de desapropriação, famílias voltam a erguer casas

Famílias já foram retiradas por três vezes da área.Invasores passam fome e sede no local.

 Ocupação residencial Rosalinda  (Foto: Yuri Marcel / G1)

Após terem as casas demolidas no final da tarde da última quinta-feira (2) as famílias que ocupam uma área de terra no Residencial Rosa Linda, em Rio Branco, já começaram a reconstruir suas moradias no local. Essa é a terceira vez que  homens da Polícia Militar e da Prefeitura tentam fazer com que as pessoas saiam da região. O terreno faz parte de um loteamento gerenciado por uma imobiliaria local, mas os donos não foram encontrados para comentar o assunto.

O trabalho de reconstrução começou no final da noite de quinta e se estendeu durante a madrugada de sexta-feira (3). No local cerca de 150 famílias tentam se estabelecer, mas por enquanto segundo uma das representantes da comunidade, Sandra Ribeiro da Silva, de 25 anos, apenas 50 já estão estabelecidas.

Sandra diz que apesar da pressão para que os moradores saiam de lá, o poder público nunca apresentou um documento comprovando a posse da terra. "A polícia e os fiscais da Prefeitura, alegam que é área verde, que tem dono, mas nunca trazem papel de reintegração de posse. Só falam que tem que tirar a gente de lá", salienta.

'Saí 3 da madrugada para cá'
Josué Pereira (26) passou a madrugada de quinta para sexta-feira reconstruindo sua casa e ajudando outros a fazer o mesmo. Foi em uma madrugada três meses atrás também, que ele ouviu falar do Rosalinda. "Não tinha onde morar e quando ouvi falar desse lugar saí do Calafate às 3 da madrugada e vim a pé para cá. Não podem fazer isso com a gente, depois que limpamos a área e construímos nossas casinhas", lamenta.

No local, as famílias que permanecem vivem da caridade e do apoio dos que trabalham. "Se derem comida a gente come, se não derem a gente fica com fome. Eu mesmo estou sem comer há dois dias", lamenta Pereira.

As crianças, que não são poucas, convivem no local com a higiene precária. Os banheiros são improvisados com lona e banhos só quando as pessoas andam cerca de um quilômetro até o Igarapé da Judia.

Aluguel Social
Entre as alternativas apresentadas pela Prefeitura está a transferência das famílias para o aluguel social. Porém, algumas famílias denunciam que estaria havendo atraso no pagamento desse aluguel.

"Colocam a gente no bolsa aluguel, mas atrasam o pagamento em dois, três meses e aí o dono do apartamento põe a gente para fora e se a gente for pagar acaba passando fome do mesmo jeito", conta a desempregada Luciana Barros (25).

De acordo com o secretário municipal de Articulação Comunitária e Social, Manoel Lima, a informação de atraso não é verdadeira. "Essa é uma verba que já está destinada, não é tirada do Orçamento. No dia certo a pessoa pode ir sacar o aluguel", explica.

Assistência Social
Lima conta que na manhã desta sexta-feira esteve reunido com uma comissão de moradores e a decisão de retirar as famílias permanece. Ele afirma que já apresentou para a comissão o documento de reintegração de posse e explicou que a área é particular e por isso o município não pode permitir a permanência das famílias no local.

"Existe um documento, registro cartorial com firma reconhecida e registro tanto no Governo quanto na Prefeitura. É uma área de preservação permanente é uma área que independente de ser do Governo, Município e particular não pode haver construção lá", explica.

O secretário diz ainda que a assistência social dos governos municipal e estadual estão a disposição das famílias, mas não poderá atendê-las enquanto não saírem da área. "Todas as famílias serão atendidas, mas não na área, pois, não podemos intervir em área particular", disse.

Enquanto isso, as famílias do Rosalinda continuam reconstruindo suas casas. "Não fazemos isso por nós, mas por nossos filhos e o sonho que a gente tem de ter um pedaço de chão", conclui a autônoma Maria de Fátima Monteiro (51
Ocupação residencial Rosalinda (Foto: Yuri Marcel / G1)

G1 acre

 

OBRIGADO PELA VISITA!

0 comentários for "Um dia depois de desapropriação, famílias voltam a erguer casas"

Postar um comentário