WWW.OIACO.NET
Notícias do interior
Notícias policiais
Entretenimento
Notícias de sena madureira

“Bêbados e Preguiçosos”

katukinas e govA visita do governador Tião Viana à Terra Indígena Katukina do rio Campinas neste dia 19 de abril atiçou o recalque e tem gente repetindo o velho mantra de que os índios são “bêbados e preguiçosos”. Principalmente porque Tião Viana fez a entrega de equipamentos para produção e anunciou um programa de habitação para as aldeias. Não vou entrar no mérito de que estes investimentos são apenas parte do cumprimento do plano de mitigação da BR 364 e não fruto de alguma bondade humanista ou piedade cristã.

Vou me ater ao fato de que nossa sociedade cruzeirense, com mais 80% de DNA indígena, continua se olhando no espelho e dizendo: “Não gosto de índio. São bêbados e preguiçosos”.
Será que é por isso nossas ruas e esquinas estejam atulhadas justamente de bêbados e preguiçosos?
-Poxa, mas “eles” mataram um taxista ?
O fato é que quem matou o taxista estava sobre efeito de álcool. Já noticiamos dezenas de crimes como este cometidos por não-índios e nem por isso dissemos que “nós” tenhamos matado um taxista. Aliás, cinco taxistas foram mortos nos últimos dez anos em Cruzeiro do Sul. Os outros quatro o foram por cruzeirenses não-indígenas. ( Só para informar: pelo crime, Sérgio Katukina foi condenado há 24 anos de prisão em regime fechado).
Não dizem as escrituras: “E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?”.
Nossa sociedade parece ser incapaz de enxergar suas próprias falhas e contradições. Apontá-las na direção de outra sociedade: periférica, invadida e despida de seu modo de vida tradicional, parece trazer algum conforto para quem não sabe o que fazer com seus próprios bêbados e preguiçosos.
E ainda assim, o time que representa a cidade usa (sem licença) o nome dos bravos “Náuas” – povo não extinto, mas renascido no Igarapé Novo Recreio. Se soubessem a panema que isso dá…
Será que vale a pena perder meu precioso tempo contando que em uma aldeia se levanta às quatro horas da manhã? Que antes da aurora já se busca a caça ou o peixe? Que, as onze (quando finalmente chega o técnico de produção na aldeia) já se almoçou e já se está na hora da ciesta?
Será que vale a pena citar que enquanto nossa pouco produtiva elite urbana (a maioria funcionários públicos) se alimenta do suor dos trabalhadores rurais, os índios comem a macaxeira que eles mesmos plantam?
Será que queremos que eles produzam soja para alimentar porcos na China? Quanto progresso!
Será que vale a pena lembrar que se hoje Cruzeiro do Sul é referência nacional deve-se em grande parte por ser o principal centro de difusão do kambô ou vacina do sapo? Agradeçam aos katukinas por isso!
Ou talvez deva lembrar os “Tempos Modernos” de Charles Chaplin, em que denuncia a sociedade automatizada e desumanizada da revolução industrial que transformou homens em peças e engrenagens?
Porque será que assusta e incomoda tanto a visão de um povo que sobrevive em pleno século XXI da caça e da pesca, que mantém sua identidade em meio à globalização? Talvez o medo seja por que esta ideia parece encantar cada vez mais às novas gerações urbanas, estas por sua vez desencantadas com mito do progresso, consumo e desenvolvimento sem limites que nos coloca diante da possibilidade da própria extinção.
Será crime resistir à extinção?

por: Leandro Altheman jurua online



OBRIGADO PELA VISITA!

0 comentários for "“Bêbados e Preguiçosos”"

Postar um comentário